O que aprendi ao trabalhar como CMO em uma startup

Tive a grande oportunidade -e desafio- de trabalhar como CMO da Pet Anjo, uma startup no formato de marketplace que oferece serviços para animais de estimação.

Neste período, MUITAS coisas aconteceram e posso dizer com clareza que todas elas foram extremamente construtivas no final.

Por isso fiz esse post com o intuito de compartilhar meus aprendizados (resumidamente) para quem trabalha ou tem interesse em trabalhar em uma startup.

Sei que esse post pode ser clichê e você já deve ter lido algo parecido, mas leia até o final, algumas dicas poderão ser úteis para você.

Mas vamos lá, vejam o que aprendi:

 

Foco é necessário, organize-se!

O ambiente de uma startup é extremamente fértil para ideação, em vários momentos você se pegará pensando em coisas malucas para resolver um problema, mas isso pode ser um grande problema para você e sua equipe.

Ter foco será sua maior qualidade. Normalmente uma startup está correndo contra o tempo, buscando dias maiores e mais produtivos, então não se perca.

Não deixe a ideação de lado, faça um backlog de todas suas ideias e organize-as de tempo em tempo, mas tenha em mente qual seu objetivo maior e organize-se!

Tenha um roadmap, trabalhe com deadlines, imponha metas pessoais e em grupo. Isso certificará que a equipe toda está caminhando para o mesmo lado.

Saber priorizar as tarefas e ações é extremamente difícil num ambiente desses, mas necessário. Os recursos são escassos e cada um significa muito.

Terceirize tarefas que tomam seu tempo, utilizando plataformas como Workana ou Fiverr para isso. Lá você delega projetos pequenos por menos de 10$.

Lembrem-se sempre que formalidades não são necessárias, mas agilidade e produtividade sim.

Como a Carol, CEO da Pet Anjo diz, antes de fazer pergunte-se: “Isso que estou fazendo fará com que cheguemos mais perto de nosso objetivo?”

 

Acostume-se com as mudanças, elas serão construtivas

Lembro que em menos de 4 meses tínhamos adquirido uma empresa, mudado 2 vezes de escritório, crescido o time, desenvolvido uma nova UX para o site, testado novos gateways de pagamento, entre outras diversas coisas que mudaram completamente nossa maneira de trabalhar.

Ter mudanças está na essência de uma startup, esta que é a beleza e o desafio de trabalhar com elas.

Ter a possibilidade de estar num ambiente de constante mudanças é sensacional, você aprende muito, sobre muita coisa.

Aproveite cada uma dessas mudanças para absorver um novo conhecimento, esteja preparado para a próxima mudança, mesmo não sabendo qual será.

Não se apegue a seus processos e estruturas criadas, eles podem -e provavelmente serão-  aprimoradas amanhã, é natural.

Muitas pessoas entrarão e sairão em um período de tempo pequeno.

Não se abale, é assim mesmo, mantenha-se motivado e passe adiante, esse é seu dever.

Já dizem os psicólogos: “Você não é nada, você está alguma coisa.”

Ajude seu time e saiba pedir ajuda no momento certo

Empresas maiores tendem a ser mais departamentalizadas, tendo mais especialistas do que generalistas.

É normal você entrar sabendo que irá cuidar especialmente de um produto, ou dar suporte para um time em específico.

Uma startup é diferente, você entra achando que vai fazer 10 coisas que você sabe fazer, mas no final você faz 100, sendo que 90 delas você provavelmente nunca fez.

Você precisa estar disposto a ajudar seu time, mesmo sabendo que a tarefa não é a que você mais gosta.

Na Pet Anjo, por exemplo, fazíamos o position rotation, que consistia em rotacionar as equipes por uns dias para vivenciar o trabalho das outras.

Você não imagina como isso pode ser engrandecedor, não só para seu business, mas para você, como pessoa.

Não existem diferenças hierárquicas em uma startup. Todos estão no mesmo barco, remando com a mesma intensidade.

Além disso, você precisa aprender a pedir ajuda no momento certo. Não adianta pedir ajuda quando tudo está pegando fogo!

Identifique a fumaça antes, avise seu time e defina um plano de ação. É normal ouvir a frase: “Vamos fazer um mutirão para matar essa tarefa”.

Fique tranquilo, no começo você pode estranhar, mas no final você será um profissional mais completo e poderá até descobrir uma nova qualidade que nunca saberia!

Motive-se e esteja sempre curioso

Um dia li alguém dizendo que motivação é como tomar banho: precisamos renovar diariamente, várias vezes ao dia.

É bobo? Sim, mas tire a lição disso: você precisará aprender manter-se motivado e muitas vezes sozinho.

No processo de crescimento de uma startup, provavelmente você terá que realizar várias tarefas diferentes todos os dias, e em outros momentos, precisará aprender muitas coisas diferentes para seguir.

Isso pode gerar insegurança e medo.

Por isso esteja sempre curioso e atualizado, pesquise sempre, assine newsletters de grandes figuras no seu mercado.

Crie sua news digest e leia diariamente, use extensões do chrome para te ajudar como Muzli, Start.me, Feedly.

Procure cursos no Coursera ou no Udemy, leia artigos no Medium e perca pouco tempo com informações inúteis como redes sociais.

Tarefas repetitivas vão sempre existir, a dica é encontrar sua válvula de escape e saber equilibrar seu dia-a-dia. Trabalhe em um café, faça home-office, ouça música.

Lembre-se sempre: “Work hard, stay humble!”

Em um próximo artigo, citarei todos os canais que costumo utilizar para absorver informação.

Seja ágil, teste, documente e assuma responsabilidades

Teve uma ideia, faz sentido para seu negócio e ainda ajudará a atingir seu objetivo mais rápido?

Não perca tempo, teste! Mas documente todos os testes, anote tudo o que deu certo, o que deu errado e o porquê.

Isso servirá de insumo para sua próxima ação, acredite.

Erre rápido, volte se necessário e aprenda com os seus erros. É ótimo errar, ajuda MUITO.

Não tenha medo de deixar de fazer algumas tarefas se achar que não estão funcionando. Assuma a responsabilidade da decisão, bata no peito e siga em frente.

Startups precisam de pessoas que não tenham medo de assumir as tarefas, e que tenham senso de ownership, de dono.  Não venha com mimimi!

Além disso, “Good is enough!” Imagine um designer de formação lendo esta frase, dói.

Mas é isso, o bom é o bastante.

Você não pode esperar o perfeito para testar! Este é o fundamento de testar: tenha algo básico, valide, lapide e otimize, otimize, otimize.

Foque no cliente e ofereça uma ótima experiência

Os clientes sempre serão prioridade, não esqueça disso.

Conseguir clientes sendo uma startup pode ser um desafio enorme, valorize-os.

Facilite a vida de seu cliente, simplifique sua contratação, automatize processos chatos, ofereça uma ÓTIMA EXPERIÊNCIA, de ponta a ponta!

Escrevi um artigo do porque investir em UX (user experience), vale a pena ler clicando aqui.

Não gaste tempo do suporte dando respostas que postergam o problema do cliente, gaste tempo resolvendo o problema.

Se necessário, crie triggers que automatizam o suporte. Entenda de onde vêm os problemas e otimize esses canais.

No caso da Pet Anjo por exemplo, identificamos que muitas pessoas vinham pelo Facebook para virar um Anjo (prestador de serviços) e nosso tempo de resposta nesse canal era alto, gerando uma taxa de satisfação baixa.

Visto isso, criamos um chatbot com o personagem da Madalena, a mascote do escritório, que atuou como facilitador para os usuários a encontrarem a resposta para suas dúvidas (teste o chatbot clicando aqui).

Tome cuidado com automação, seu suporte não pode ser robótico, tem que ser efetivo e humano.

Uma frase que eu adoro do Simon Sinek: “People don’t buy what you do; they buy why you do it. And what you do simply proves what you believe.”

Atrair usuários não é fácil, mas é possível

Eis o grande desafio de qualquer empresa: conseguir usuários e clientes. É difícil? Sim, mas é possível.

O foco é gastar pouco dinheiro e buscar um grande alcance. Utilize metodologias de growth hacking.

Defina um target e crie suas personas. Pesquise seus comportamentos, problemas e canais que elas estão.

Defina um tom de voz e conecte-se com elas! Tenha consistência em sua comunicação. Use ferramentas como Etus e Buffer para te ajudar.

Além disso, trabalhar o seu SEO ajuda MUITO a trazer tráfego e usuários sem investir dinheiro.

Mapeie TODAS suas fatheads, longtails e core keywords, crie seu blog, publique conteúdo relevante e vire uma referência no seu ramo.

Use ferramentas como Google Webmaster ToolsKeyword Planner, Trends, Uber suggest, SEMRUSH MoZ extension para te ajudar.

Usar estratégias de inbound marketing é ouro para startups.

Exige uma carga alta de trabalho, mas pode gerar uma máquina de vendas. Crie gated contents e lead generation tools como webinars, ebooks, whitepapers, infográficos.

Faça guestposts em blogs em portais famosos para link building!

Dê conteúdo de graça, use iscas para capturar essas pessoas e faça uma nutrição automática para tentar transformá-las em clientes. Use ferramentas como RD Station, LeadLovers, Hubspot.

Una forças com outras startups e empresas que tem sinergia com a sua, produza conteúdo em conjunto e capture leads. Co-marketing gera mais alcance!

Utilize a first-party data strategy: aproveite seu tráfego e base de leads para ativar, engajar e converter.

E o mais importante, que o Pedro Waengertner, CEO da ACE, sempre me diz: “Gaste sempre o dobro de tempo que você usou para criar, divulgando seu conteúdo.”

Seja data-driven na medida do possível

Sempre li artigos explicando o quão bom é ser data-driven, como todos os empreendedores são super-heróis realizando ações baseadas em dados e etc.

Mas a grande verdade é que na vida real, dependendo do estágio de sua startup, você não consegue medir tudo. Digo isso pois:

  1. Em estágios iniciais, provavelmente você não saberá ou terá uma amostra de dados suficiente para balizar suas ações;
  2. Coletar dados pode ser uma tarefa trabalhosa e as vezes precisará do suporte de TI;
  3. Analisar os dados leva tempo, analisar os dados certos leva mais ainda;

Escolha as métricas que são essenciais para seu negócio e meça.

Meça o que conseguir, mas faça constantemente. Ao longo do tempo, você passará isso para a equipe e naturalmente começará a medir mais.

Dicas do que medir inicialmente:

  • Origens de tráfego do seu site
  • % Unique visitor e % Returning visitor
  • Bounce rate
  • CAC
  • LTV
  • ROI
  • Clusters básicos de sua base (clientes, non-clientes, best clients, etc)
  • Funil de aquisição AIDA e sua taxa de conversão (awareness, interest, desire, action)

 

 

Seu time de TI é importante, valorize e aprenda o básico

Quase tudo é possível de ser realizado pelo seu time de desenvolvimento, mas tudo é necessário?

Não sobrecarregue seu time de TI com coisas fúteis ou pequenas e não estimule a criação de features que ninguém vai usar.

Para te ajudar a priorizar, posicione todas elas na matriz abaixo e mande bala.

Matriz Impacto X Pessoas

Antes de pedir algo, tente resolver você mesmo de outra maneira, encontre soluções que substituem o tempo de desenvolvimento. Utilize ferramentas como Zapier, IFTTT,  para te ajudar.

Se conseguir, utilize produtos existentes antes de pedir um desenvolvimento interno. Utilize o Startup Stash, Product Hunt, Angelist, Github para encontrá-los.

Aprender o básico é necessário!

Você precisa entender como funciona o fluxo de um desenvolvimento para saber valorizá-lo e até pensar em coisas possíveis.

Se trabalha com marketing, aprenda a instalar pixels, use google tag manager, instale suas ferramentas de analytics, saiba criar eventos, aprenda html, css e javascript.

Aproveite o ambiente e divirta-se

Não se deixe levar pelo hype, não é fácil e nem um mar de rosas, mas é um ambiente em que você pode aprender e muito, trabalhando com pessoas extremamente qualificadas.

Frameworks vão te ajudar, mas não serão sua solução. Não há fórmula mágica e cada dia é um novo desafio. Todos estão no mesmo barco, aproveite toda a flexibilidade e vista a camisa.

No final, vale a pena!